E as manchetes jornalísticas?

Só uma perguntinha que me incomoda a algum tempo…

Se alguém souber, por favor me responda:

Alguém já leu alguma manchete de notícia mais ou menos assim “Branco mata dois negros” ou “Jornalista judeu acusado de preconceito contra garis”?

Então por que agente lê “Ciganos acusados de fraude contra o INSS” ou “Cigano acusado de porte de armas é preso”.

Pode buscar no Google! É exatamente assim!

E não vou ser tendenciosa de dizer que acontece apenas com os ciganos não… Isso acontece também com, por exemplo, os índios.

Será que algum jornalista pode me explicar??

Published in: on fevereiro 14, 2010 at 10:14 am  Deixe um comentário  

Dança Cigana

Escrever aqui me alivia muitas coisas… Eu percebo que existem no mundo problemas muito maiores que meus problemas pessoais. E por alguns minutos vou salvar o mundo por aí e sinto que quando todos se unem somos capazes de grandes coisas…

Acho relevante falar de um assunto que me deixou bem encafifada até eu entender.

Lembram dos clãs? Uma das diferenças entre eles é a dança. Alguns elementos diferem de um clã para outro, tornando as danças levemente diferentes, com nuances variadas mas com muito em comum. Mas como curso mesmo, um dia foi quase inexistente. Até que a Glória Perez resolveu escrever uma novela!

A autora se inspirou em uma família cigana de violinistas do leste europeu, a família Vacite, do clã Betchary. Ciganos viraram moda no Brasil! Ou melhor: as festas ciganas e a dança estilo Betchary viraram moda. A novela mesmo não teve grandes contribuições pra diminuir o preconceito. Muita gente chegou à “brilhante” conclusão de que os kalons são ciganos falsos, por causa das pequenas diferenças. Criou-se uma fantasia do que é o cigano. A dança cigana veio no embalo.

A maioria dos grupos de dança cigana no Brasil, hoje, dança algo parecido com a dança da novela. E muitos professores não conhecem de verdade ciganos, ou a cultura cigana. É como se a dança cigana fosse algo a parte do povo cigano. E isso não faz o menor sentido.

Existem exceções. Não tenho nada contra quem faz a dança da novela! Será que eu vou ter que grifar isso pra ninguém me atacar?? Eu faço curso de dança kalon (azar o meu, ora bolas… embora eu considere grande sorte). Meu professor tem o mínimo cuidado de conhecer ciganos de verdade e perguntar se está fazendo algo errado. Essa é a obrigação de qualquer um que se meta a ensinar sobre outra cultura que não a sua própria, seja dança do ventre, curso de leitura de baralho, borra de café, ou qualquer coisa.

Mas o que a dança cigana de verdade tem em comum em qualquer clã, se for feito um trabalho sério: nada de barriga de fora, nem pernas aparecendo (muito menos o útero, como eu quase já vi por aí…), e coreografias não tem nada a ver…

Taihka falou.

Published in: on janeiro 23, 2010 at 11:25 pm  Comments (2)  

Postagem de estréia

Olá amigos curiosos, pesquisadores, ciganos, e amigos que vieram prestigiar meu Blog.

Este criei com um propósito sério. Não é ligado a nenhuma religião nem tampouco destinado a um público restrito.

Vou aqui mostrar notícias, histórias e fotos que retratem a realidade da etnia cigana neste mundo.

Também não sou cigana. Sou o que os ciganos chamam de “gadjí”, isto é, não-cigana.

Apesar disso sou descendente deste povo que sempre admirei e em breve espero postar fotos de meus antepassados, das quais estou em busca a algum tempo.

Os ciganos existem e são classificados como etnia, isto é, são um grupo com língua, origem e aspectos culturais próprios. Estes aspectos culturais inclusive podem ser diferentes entre grupos distintos de ciganos, chamados clãs, mas são parecidos e baseados em ideais culturais próximos.

Por favor mandem notícias, imagens, perguntas e sugestões para o email taihka@yahoo.com.br para incrementar o blog.

Começo já sugerindo a comunidade do orkut “Ciganos: uma realidade”.

Os ciganos são muitos, mas não são mais do que os cegos preconceituosos.

Compartilhar idéias é essencial para combater o preconceito.

Published in: on dezembro 29, 2009 at 10:16 pm  Deixe um comentário