Ciganos mantêm tradições no Jd. Silvina

Do Diário do Grande ABC

Um grupo de ciganos vive há oito anos em um acampamento montado às margens da Via Anchieta, no Jardim Silvina, em São Bernardo. Enquanto tentam manter as tradições milenares do povo, eles se adaptam à vida moderna. As tendas, cobertas por lona colorida, abrigam tecidos artesanais e eletrodomésticos novos. As crianças frequentam a escola do bairro, e quase todos os adultos já tiraram seus documentos. Festivo e receptivo, o grupo costuma passar o fim de semana comendo churrasco e ouvindo forró no som do carro.

O Diário visitou o acampamento cigano dia 20, domingo, durante a festa de casamento de Mauro Soares Ferreira e Chiara Bolsanello, ambos de 18 anos. As mulheres usavam vestidos coloridos feitos sob medida por ciganas de outros acampamentos, colares e pingentes. A comemoração só não foi mais alegre porque a comunidade ainda está de luto pela morte do seu líder, Donizete Soares, 58, conhecido como Oripe, há dois meses.

Seguindo a tradição, os integrantes do clã queimaram a tenda onde Oripe vivia, com suas roupas e objetos pessoais dentro. “Os bombeiros chegaram a vir aqui pensando que era incêndio”, conta Júlio Soares, 37, genro de Donizete e cotado para ser o novo líder do grupo. Porém, os agentes não apagaram o fogo, em respeito ao costume.

Otelina Mendes, 60, casada com Oripe desde os 10 anos, ficará de luto para sempre: cortou os cabelos e não usará mais roupas coloridas. “Perdi meu velho, minha tenda… tudo”, lamenta Otelina.

Comerciantes – A matriarca do grupo passou a morar na casa da filha Vanusa Mendes, 25, e do genro Flávio Mendes, 27, que trabalha, como a maioria dos ciganos, vendendo de tudo um pouco.

“As mulheres leem mão e os homens fazem negócio: de carro, celular, tecido. Não faz parte da tradição cigana ter patrão”, explica Flávio. Os ciganos de São Bernardo são da etnia calon, originária do Egito – outro grupo é chamado ron. Mesmo que não se conheçam, eles se identificam por meio de um sinal que fazem com tinta verde no rosto e nos braços e pelo dialeto.

“Nós falamos o chibi de calon, que ensinamos de pai para filho e só é entendido por cigano. Serve para quando vamos negociar alguma coisa”, afirma Flávio.

Outra fonte de renda dos calon é o aluguel de casas. Otelina tem um imóvel em Itapetininga, no Sudoeste do Estado, onde o grupo já morou. Os calon do Jardim Silvina têm parentes em Assis e Sorocaba, no Interior, e no Itaim Paulista, Zona Leste da Capital.

O grupo foi parar em São Bernardo por insistência do líder Oripe. “Aqui é bom para ganhar dinheiro”, diz Flávio. A permanência da comunidade foi acordada com o dono do terreno.

Casal de noivos foge à regra e se conhece pela internet
Diz a tradição cigana que os casamentos devem ser combinados enquanto os futuros noivos ainda são bebês. “Tentamos fazer com que as crianças se agradem, que se gostem desde pequenas”, diz Júlio Soares, 37 anos, um dos integrantes do clã.

Mas nem sempre isso é possível. Um dos filhos de Júlio, por exemplo, Mauro Soares Ferreira, 18, não quis passar o resto da vida com a mulher que era prometida a ele e conheceu a cigana com quem se casou no dia 20 pela internet.

“Casar sem amor não adianta”, ensina o pai. “Não sou eu nem minha mulher que vai viver com ela (a noiva). É meu filho”, conclui. A prometida, filha de um cunhado de Júlio, não mora no acampamento de São Bernardo.

Após descobrirem que Mauro conhecera a noiva pela internet, Júlio e sua mulher, Joana Soares Ferreira, 33, foram buscar a futura nora em um clã cigano na cidade de Medeiros Neto (BA). Eles enfrentaram uma viagem de dois dias para ir e mais dois para voltar dentro de um ônibus.

Mauro e Chiara Bolsanello, 18, se casaram domingo passado com as bênçãos das duas famílias. “Vamos ficar aqui por um mês e depois vamos para a cidade dela passar um tempo”, disse Mauro após a cerimônia.

Casamentos e batizados são celebrados por padre católico
Embora não exista uma religião oficial para todos os ciganos, muitos deles seguem o catolicismo. Os calon que vivem em São Bernardo, por exemplo, batizam seus filhos e casam dentro dos fundamentos da igreja católica.

Para celebrar os sacramentos, nos últimos anos eles contam com o padre Jorge André Pierozan, conhecido como Padre Rocha. O apelido tem pelo menos duas versões. “Deram-me esse nome quando eu jogava futebol, por causa de um atleta da época”, diz o padre. “Ele é Rocha porque não deixa os calon na mão. É forte e sempre nos ajuda”, opina Júlio Soares, um dos ciganos do acampamento.

Integrante da Pastoral dos Nômades, Padre Rocha se desdobra para conciliar a agenda de sacerdote da Paróquia Santíssima Trindade, no Butantã, Zona Oeste da Capital, e os compromissos nos acampamentos ciganos.

“Quem mora em tenda tem a fé mais forte do que quem mora em palácio. Aqui, eles não têm paredes para se proteger, eles jogam na mão de Deus”, afirma.

A ligação do pároco com os ciganos vem da infância, quando foi vizinho de um acampamento e trapezista de circo. “Um dia ainda me aposento e vou morar na tenda também.”

Anúncios
Published in: on março 9, 2010 at 10:37 pm  Comments (2)  

The URI to TrackBack this entry is: https://taihka.wordpress.com/2010/03/09/ciganos-mantem-tradicoes-no-jd-silvina/trackback/

RSS feed for comments on this post.

2 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Olá! Tudo bem?

    Sou Gabriel e gostaria de saber se você tem acesso a imagem de Santa Sara Kali, como a da foto da matéria, pois gostaria de adquirir uma igual, mas menor cerca de 20 a 30 centímetros. Por favor, responda a esta mensagem, porque tenho muito interesse em uma imagem de Santa Sara Kali, onde eu achei e acredito que essa seja a mais semelhante. Por favor, responda.

    • Olá Gabriel!
      Infelizmente eu não tenho uma imagem de Santa Sara. Você está encontrando dificuldades para adquirir uma?


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: